O fim do Chatroulette 

Era uma vez, numa terra muito, muito distante… uma rede social que nasceu com um propósito: Apresentar o mundo ao mundo através de uma webcam.

Pessoas que moravam a 300000km poderiam se conhecer e conversar como vizinhos; segundo essa rede (uma espécie de roleta russa social), uma japonesa e um peruano poderiam se encontrar, conversar e porque não, se relacionar. Dado isso, diversas empresas começaram a ver essa rede crescer e pensaram “Meu Deus, com apenas uma webcam eu poderia apresentar minha marca ao mundo de uma forma inusitada, e fazê-los gostar disso”, e assim nasceu um dos cases mais criativos em redes sociais até hoje – Harley-Davidson no Chatroulette.

Tudo estava caminhando para que essa rede se tornasse uma forma inusitada de conhecer novas pessoas do mundo todo e se divertir com isso sem sair de casa… novas culturas, novos lugares… infelizmente a história não teve final feliz.

A rede, que crescia muito e começava a chamar muito a atenção de todos, começou a ser invadida por uma raça conhecida na internet por depreciar toda e qualquer rede social – os “tarados”; homens com pouca massa encefálica, limitados a pensar unica e exclusivamente em um unico assunto – SEXO.

Sendo assim, as pessoas que entravam na rede procurando por novas experiências, novas pessoas, novas culturas, viram-se cercadas por quarentões acima do peso com seus respectivos pênis na mão, executando uma masturbação social, à espera de alguma tarada ou apreciadora.

Infelizmente para nós, esses tarados conseguiram dominar essa rede e acabar com a sua real intenção; hoje, o Chatroulette vive seus momentos finais… enquanto aguardamos seu óbito não podemos fazer mais nada… o sexo venceu, a cultura perdeu, como sempre…

E mais uma vez vemos no mundo virtual o reflexo de uma sociedade pornô, que não pensa com a cabeça de cima…. infelizmente.