Monopólio Google 

Uma boa pergunta: A internet tem dono?

Na verdade… não, provavelmente nunca terá (ênfase no provavelmente); porém é inegável que monopólios vão se formando aos poucos. É uma atitude padrão do ser humano querer cada vez mais poder sobre determinada região, objeto ou o que for; na internet também não seria diferente.

Vemos sites nascendo, crescendo e morrendo em meses; vemos as mudanças, os assuntos voando, tornando-se obsoletos em horas… vemos o mundo girando bem mais rápido do que o comum.

A pergunta é: Como dominar uma área tão instável e imprevisível como a internet? Ora… essa é fácil… basta ser uma fonte… mas não uma qualquer… uma que englobe todas as outras, uma referência, um Google!

Como um site tão simples com um nome tão estranho e diversos similares conseguiu crescer tanto e tão rápido a ponto de se tornar referência? Resposta simples: Inovando!

O Google não se viu apenas como um site de buscas, mas também como uma possibilidade para empresas divulgarem suas marcas, anunciarem… viu a possibilidade de disponibilizar métricas antes inexploradas por sites em geral… viu também que precisaria crescer junto com a rede, junto com os usuários, oferecer cada vez mais, cada vez melhor! Indexou serviços… e-mails, redes sociais… errou com o Wave e agora tenta dominar o meio com o “quase” finalizado Google.me e seu futuro Google Games.

Google não é mais uma marca, um site… é uma referência, é visto com bons olhos, sinal de qualidade…

O sonho de toda empresa, algumas com dedicação superior a 100 anos foi alcançado por uma da nossa geração, criada por um cara da nossa geração… seria inacreditável se não fosse um fato comprovado!

Agora só nos resta pensar “Qual será a próxima do Google?”, tentar prever, criar algo inovador em cima disso e torcer para que comprem nossa ideia e nos integrem à família que engloba Orkut, Gmail e tantos outros “produtos” de qualidade; ou você pode mandar um CV e tentar a sorte… outro Google com certeza não nascerá tão cedo e como diz o velho ditado, se não pode vencê-los, junte-se à eles.

Por fim… a internet pode até não ter dono, mas com certeza tem uma referência.